Mamoplastia de Aumento

Orientações Gerais
7 de fevereiro de 2018
Lipoabdominoplastia
7 de fevereiro de 2018

MAMOPLASTIA DE AUMENTO

(COLOCAÇÃO DE PRÓTESES DE SILICONE)

Tem por finalidade aumentar mamas pequenos ou que sofreram diminuição após a gestação, além de melhorar sua consistência e forma. Consiste na colocação de uma prótese de silicone sob a forma de gel coeso envolvido por uma cápsula texturizada. É um material bem tolerado pelo organismo. Nacionais ou importadas, de tamanhos variados são escolhidas em comum acordo entre médico e paciente

PRÉ-OPERATÓRIO

A amamentação deve ter sido suspensa por um período de 6 meses a 1 ano. Serão solicitadas mamografia e ultassonografia das mamas.

PROCEDIMENTO CIRÚRGICO

Dura em média 40 a 60 minutos, pode ser utilizada anestesia geral ou local com sedação. A prótese é colocada abaixo da glândula ou do músculo, dependendo do caso. As cicatrizes são bastante disfarçadas e podem ficar no sulco inframamário, na axila ou na porção inferior da aréola. A escolha do local da cicatriz dependerá do tamanho da prótese a ser utilizada e do formato das mamas.

PÓS-OPERATÓRIO

O tempo de internação é de 8 a 12 hs, analgésicos comuns são utilizados para controle do desconforto pós-operatório, o uso do soutien modelador é contínuo por no mínimo 30 dias. Geralmente são utilizados pontos absorvíveis que não necessitam ser retirados e cola cirúrgica (Prineo®).

Atividade física: Poderá fazer caminhadas e dirigir após 21 dias da cirurgia. Ginástica como bicicleta ergométrica, pernas, quadril e coxas após 45 dias. Hidroginástica, natação e musculação de braços e peitoral deverá ser liberada após 3 meses da cirurgia a critério médico. Lembre-se o repouso domiciliar por 7 dias é importantíssimo, para que você não desenvolva problemas indesejados, como o hematoma ou coleção líquida na mama recém operada.

DÚVIDAS FREQÜENTES

Troca da prótese: É natural que o organismo forme uma cápsula (cicatriz) ao redor da prótese, a qual pode se tornar mais tensa paulatinamente, por um período de tempo variável para cada paciente. No entanto, quando a consistência da mama está prejudicada, devido à  rigidez (contratura) desta cápsula, as próteses deverão ser substituídas. Cirurgião e paciente, poderão ponderar sobre a conveniência ou não da re-introdução de próteses menores ou outra conduta que melhor se adapte ao caso. A contratura da cápsula nunca reflete imperícia do cirurgião, mas sim, um depósito exagerado de tecido cicatricial do organismo das pacientes ao redor da prótese. Portanto, deve-se trocar a prótese, em média, a cada 10 anos, em geral nessa época é freqüente a presença de contratura da cápsula que pode ocasionar certa perda do resultado inicial, com relação a forma e palpação da mama. Massagens orientadas a partir do 1º mês, retardam esse processo.

A qualidade das próteses mamárias estão melhorando a cada ano, dependendo do local aonde serão colocadas, podemos optar por texturas que retardam esse processo de contratura, como por exemplo optarmos pelas Próteses da Lifesil® Adherence macrotexturizadas e próteses da Motiva® nanotexturizadas. Atualmente temos próteses que se adaptam ao perfil de cada paciente, mais seguras e com microchips que garantem a rastreabilidade do produto.

Amamentação: É perfeitamente possível uma vez que a prótese não interfere na fisiologia da mama.